28/04/2012

Estados Unidos irá enviar caças F-22 para os Emirados Árabes Unidos como aviso ao Irã



Continua a aumentar a tensão entre Teerã, Telaviv e Washington devido ao persistente programa de tecnologia para armas nucleares iraniano, e enquanto isso os Estados Unidos decidiram enviar um destacamento dos seus caças stealth Lockheed Martin F-22 Raptor para uma base nos Emiratos Árabes Unidos.

Segundo uma fonte não identificada, diversos caças F-22A Raptor irão operar a partir da Base Aérea de Al Dhafra. Esta base é uma das mais movimentadas da região, onde a Forca Aérea Americana (US Air
Force) opera diversos tipos de aeronaves após os ataques terroristas de 11 de Setembro, como o U-2 ou os UAVs Global Hawk.

“A Força Aérea dos EUA já destacou o F-22 para o sudoeste Asiático,” refere o capitão Phil Ventura, porta-voz da USAF. “Estes destacamentos fortalecem as relações militares, promovem a soberania e a segurança da região, melhoram as tácticas combinadas de operações aéreas e a interoperabilidade das instituições, equipamentos e procedimentos.” Ventura recusou-se a especificar as missões que as aeronaves vão efetuar neste destacamento.

Devido as capacidades supercruise, alta manobrabilidade, furtividade, motores com empuxo vetorial e uma elevada capacidade para coleta de informações através dos seus sistemas, o F-22 é atualmente considerado o caça mais sofisticado do mundo. A sua presença em qualquer local não passa despercebida. O timing para este destacamento no Golfo Pérsico pode ser um sinal americano para que o Irã comece a pensar seriamente em parar com as ambições do seu programa nuclear.

“O F-22 é diferente de todos os outros caças, e os nossos aliados e potenciais adversários sabem disso,” afirmou um especialista em assuntos militares não identificado. “Quando os F-22s foram destacados para Guam e para o Japão, toda a gente na Ásia e no Pacífico ficou atenta.”

O Raptor já realizou alguns destacamentos na região do Pacífico, e em Dezembro de 2009 viajou para o sudoeste Asiático para o seu primeiro destacamento com o objetivo de participar num exercício internacional de jogos de guerra, embora não tivesse participado diretamente. Um antigo responsável pelo programa do F-22 salientou que deveriam ser efetuados mais destacamentos para zonas desérticas para manter os pilotos e equipes de terra treinados naquele tipo de condições mais exigentes.

Apesar do F-22 já ter sido destacado algumas vezes, desde que em 2005 foi dado como operacional, nunca entrou em combate, e o alto custo operacional da aeronave é a principal razão para que o Pentágono não queira utilizar esta aeronave em campanhas como a ocorrida na Líbia, ao menos que seja extremamente necessário a presença de uma aeronave deste gênero para a missão. Mas o Raptor também tem sido assolado por um preocupante problema com o seus sistema gerador de oxigênio (OBOGS).

Durante a próxima semana, a Lockheed-Martin irá realizar uma cerimônia para comemorar a entrega do último F-22 Raptor (n° 4195) produzido na linha de montagem em Marietta, Geórgia, fechando assim um importante capitulo na história da Forca Aérea dos EUA e da Lockheed Martin.


 Fonte: Aviation Week

2 comentários:

  1. os e.u.a nõ tem oque fazer se eles tem as suas coisas porque os outros não podem ter

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu também já pensei assim Thiago...de certa forma é verdade mas o ruim é quando certos países querem trabalhar com energia atômica como o Irã para fins duvidosos...

      Excluir